FESTAS DO SOLSTÍCIO DE VERÃO


 

1. Com excepção (honrosa) da língua portuguesa, os nomes dos dias da semana das principais línguas vivas europeias estão marcados pelos astros: sol, lua, marte, mercúrio, júpiter, vénus, saturno. Esta maneira de dizer salienta a nossa dependência dos astros, que o mesmo é dizer, das forças da natureza que os astros representam. Exceptuam-se, nalguns casos, o sábado e o domingo, que trazem a marca das tradições hebraica e cristã.

 2. Mas, mesmo no caso português, é fácil verificar como o nosso paganismo convive amenamente com o nosso cristianismo. Basta um olhar atento a esta época do ano (solstício de verão), e às celebrações que fazemos à volta dos santos populares: Santo António, São João e São Pedro.

 3. Embora o fenómeno seja o mesmo, detenhamo-nos na festa de S. João, por ser a mais afecta a esta zona norte do país. A tradição bíblica faz de João Baptista um homem austero, que anda pelo silêncio do deserto para melhor escutar a Palavra de Deus, e que, a quantos o procuram, prega penitência e conversão. Mas nós festejamo-lo com esfuziante folia, no meio de barulho e muita música, abundância de vinho e danças…

 4. Entre os anos 117 e 135, o imperador Adriano, com o intuito de paganizar a Palestina, deitou por terra todos os lugares de culto cristão que lá havia, entre os quais se contava a «casa-igreja» de Ain Karem [= nascente do jardim], lugar do nascimento de João Baptista, a uns 8 Km a SO de Jerusalém, extinguindo assim o nascente culto cristão a João Baptista, e implantando no seu lugar o culto pagão de Adónis. O culto de Adónis é o culto da natureza. Filho do incesto de Ciniras com Esmirna ou Mirra, a beleza de Adónis seduziu a deusa Afrodite ou Vénus, deusa do amor, da beleza, da vegetação e da fertilidade. Ciúmes de outras deusas, entre as quais Perséfone, deusa da morte, fizeram que Adónis fosse morto por um javali, indo assim parar aos braços de Perséfone. O facto deu origem a intrigas entre as duas deusas (Afrodite e Perséfone), só sanadas pelo decreto de Júpiter, que decidiu que Adónis ficasse com Perséfone um terço do ano, com Afrodite outro terço, e que ficasse livre no último terço do ano. Mas Adónis ofereceu este último terço também a Afrodite. O tempo que passa com Perséfone é o Inverno, o tempo triste em que a natureza parece que morre. O tempo que passa com Afrodite é o tempo da Primavera e do Verão, o tempo da explosão da vida e da alegria. As festas em honra de Adónis têm assim um tempo de choro e de lágrimas, que equivale à morte de Adónis e ao tempo que passa com Perséfone, e um tempo mais intenso de folia, que equivale como que à «ressurreição» de Adónis e ao tempo que passa com Afrodite. Como se vê, Adónis não é mais do que natureza, e aquilo que nós festejamos no solstício de verão não é mais do que a exuberância da natureza.

 5. É esta paganização de João Baptista por Adónis que permanece ainda hoje nas nossas festas populares do solstício de verão.

 6. Voltemos aos astros. A língua latina fornece-nos duas palavras para dizer «astro»: aster (plural astra) e sidus (plural sidera). Na sua brilhante L’Écriture du désastre (Gallimard, 1980), Maurice Blanchot, recentemene desaparecido, mostrou magistralmente que se as pessoas vivem ligadas aos astros e se o seu comportamento depende deles sem qualquer possibilidade de liberdade, então a vida é com certeza um «des-astre»! E é esta a compreensão que expressamos do «desastre», quando lemos num acontecimento dramático da nossa vida ou da vida dos outros, não o resultado da nossa vontade, mas a influência perniciosa de qualquer astro, o velho destino. Do mesmo modo, dizemos hoje vulgarmente que alguém está siderado, quando está de tal modo fascinado por um objecto ou por um acontecimento, que já não consegue dar um passo por conta própria.

 7. Viver ligado aos astros e ao que eles dizem é, portanto, um desastre: se não nos conseguimos libertar deles, ficamos como que siderados, prisioneiros nas mãos de um destino qualquer. Mas se nos separarmos deles, então ficamos de-siderados, do latim desiderare, que deu o nosso desejar. Ao sabor do nosso desejo. É, portanto, a libertação dos astros, a saída da sideração, que dá acesso ao desejo, que nasce da separação do astral e do regresso à vida e ao movimento, à liberdade e à história, a um tempo que seja nosso.

 8. Mas será ainda necessário quebrar este arco desiderativo a que andamos presos e que apenas molda em nós um «eu» identitário e patronal sempre em expansão, e que apenas sabe rejeitar ou absorver o outro, num processo cego de auto-realização ou auto-satisfação. É necessário abrir-se ao extra, ao sentido objectivo, ao éschaton, ao dom que vem de fora, e que ninguém pode produzir por si mesmo. Temos todos de aprender a recebê-lo, abrindo as mãos e o coração. Lições de Junho.

 António Couto

About these ads

3 respostas a FESTAS DO SOLSTÍCIO DE VERÃO

  1. E.Coelho diz:

    Olá,
    Falas de abrir as mãos e o coração para aprender a receber. Achei interessante esta afirmação na medida em que, quando me “converti”, aqui há uns anos, o sacerdote que me acompanhou se referiu à necessidade de sermos tão livres de dar como de receber. Realmente, é muito difícil ser livre de dar (por norma esperamos uma retribuição); logo esse dar parece-se mais com o comprar. Ccomo é difícil, bastante difícil receber (normalmente sentimo-nos na obrigação de “devolver”, retribuir de forma mais ou menos proporcional ao que se recebeu); outra vez, uma compra.
    Se é assim no quotidiano das nossas vidas (padrinhos e afilhados à espera de PRENDAS (não PRESENTES), mais PRENDAS (de prender, atar, aprisionar) nos aniversários, no Natal, no dia do Pai, da Mãe, namorados, … e por aí fora, o que é ENGRAÇADO(?) é que nos PRENDEMOS materialmente, mas não nos sentimos Presos, melhor PRESENTEADOS, quando o outro é O OUTRO, DEUS….
    …Logo, por não nos sentirmos PRESENTE, dados por Deus a nós mesmos, achamos que não temos que retribuir PRESENTEANDO-NOS a Deus. E bem ao nosso jeito, tentamos “comprar”,= chantagear os Seus favores, tal como fazemos uns aos outros, prisioneiros que somos da incapacidade de sermos, DE FACTO, livres para dar e para receber.
    Boa noite,
    Abraço grande,
    Elisa

  2. Arnaldo Vareiro diz:

    O Homem pagão não tem intimidade; vive inteiramente aberto às suas funções, ao seu Eu… O cristianismo traz o dom da intimidade fazendo com que o Homem abra o seu interior ao Infinito!
    Acolhamos o Dom na intimidade de coração!

  3. João Manuel diz:

    1.Nem sempre posso vir ao blog e a saúde nem sempre me permite deixar algum comentário, como me requeria o anterior sobre a Trindade… Mas este não tem comentários e vou deixar o que me vem à reflexão.
    2.É interessante notar como nos “embalamos” nas palavras sem lhes atingir o alcance. Obrigado por este belo regresso às origens etimológicas.
    3.Quanto às festas paganizadas. A culpa é também nossa, cristãos (ordenados, consagrados ou leigos) “descomprometidos”, ou melhor, ainda pouco “enamorados” por Aquele a quem estes populares santos apontam. Que fazemos nós para que esses dias (ao menos quando de feriado municipal se trata) sejam marcados por uma cristã festividade comunitária e familiar?
    4.Relativamente aos astros: e a dependência dos horóscopos a que estão sujeitas tantas pessoas? Quantas acabam de comprar “a” revista e logo vão a eles direitinho.… E os programas televisivos em que eles estão a ganhar importância? E com que descontracção (ignorante, tantas vezes!) por eles nos deixamos impressionar/dominar…
    5.E que dizer do que a própria sociedade nos vai impondo, comandando a nossa vida pelo ritmo do trabalho e não pelo da “oração”, isto é, pelo do sentido caminhar para Deus? Já reparámos que a maioria das agendas, que estão à venda ou nos oferecem, começam a semana pela Segunda-feira e não pelo Domingo? E que dizer do trabalho que fazemos ao Domingo ou exigimos que exista para que nos sirvam?
    6.Que o Espírito, causa fundante do Amor e da Vida, em Cristo nos abra a esse extra.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 280 outros seguidores

%d bloggers like this: