TEMPO DE VERIFICAÇÃO: EU ACREDITO!

Julho 30, 2009

 

Publico hoje uma carta de uma jovem mãe de três filhos e catequista, de seu nome Maria Pia Fontes, de origem espanhola, mas há muito a residir em Portugal, que narra a bela aventura que foi percorrer os caminhos transitivos e intransitivos de S. Paulo, com outros catequistas e muitos jovens formandos, que se foram deslumbrando com o Apóstolo e aprendendo com alegria e paixão a dizer e a viver de outra maneira a sua fé. A carta, chegada por e-mail, vem seguida de uma série de fotografias, que aqui não incluo para não tornar a página demasiado pesada. Dou-lhe aqui o devido relevo, porque penso que é este o caminho de levar a juventude a enamorar-se por Cristo. Porque penso que este tipo de experiências pode ser muito enriquecedor para outras escolas de pedagogia da fé, e para alguém que queira entrar em contacto com ela, deixo aqui, pedindo-lhe desculpa, o endereço electrónico da Dr.ª Maria Pia Fontes: piafontes@gmail.com. Quem preferir, também pode responder para este site, no sítio habitualmente destinado a comentários.

António Couto

 «Caro Dom António,

Acabada de chegar dos “campos de descoberta” da paróquia, não podia deixar de agradecer tudo aquilo que recebi.

Depois de “rezar as suas aulas”, a equipa de cooperadores embarcou, com mais uns 150 jovens (dos 12 aos 18 anos), numa aventura cheia de peripécias, num inter-rail especial e espiritual por Tessalónica, Roma, Filipos, Corinto, Galácia. Encontrámos também o amigo Filémon… O objectivo era “não dissecar São Paulo em tranquilas ideias teológicas, seguramente redutoras, mas acompanhá-lo pelos caminhos poeirentos da sua vida”.

Não imagina o espanto que foi nascendo naqueles jovens à medida que iam construindo o seu dicionário com Deus, encontrando uma nova gramática para narrar a sua vida de cristãos! Pela mão de São Paulo encontraram novos significados para palavras que utilizavam, e lhes eram de todo indiferentes, como fé, graça, misericórdia, liberdade, esperança, o caminho que ultrapassa todos… Todos os dias o amigo Paulo enviava uma carta endereçada a cada um deles com o seu nome…

Aprenderam a ler e a ouvir a Cruz, e isso foi uma grande reviravolta para muitos… Aprenderam a ser filhos. Aqui vai um pequeno excerto da oração preparada por eles:

 “Ser filho é reconhecer que a vida é um presente enorme e que não podemos guardá-la para nós. Há muitos egoísmos por vencer, muitos livros que enchemos de reclamações a rasgar, para que possamos aprender a ser filhos. Aprender a ser filho é passar da reclamação à entrega, do acumular ao dar-se. Num mundo que vive a crise do excesso, do desejo de acumular, é um enorme desafio aprender a gratuidade, é um enorme desafio ser mãe, ser pai e ensinar a ser filho.

Jesus ouviu a voz do Pai. Experimentou o Seu amor gratuito. Reconheceu que a vida é um enorme presente e não a guardou para Ele. Deu-a até ao fim, soberanamente, para todos e para sempre.

É assim que nos salva. Por isso, para nós, cristãos, a Cruz é também uma festa, uma oportunidade de regresso a casa. Por isso, tanto balão, um por cada animado e animador que está neste campo. Por isso também o “Cristo do Sorriso!”.

Dom António, por tudo aquilo que me ajudou a descobrir, MUITO OBRIGADA!»

mpiafontes

Anúncios