COMO NAS BODAS DE CANÁ

Janeiro 16, 2010

 

1. A Igreja Una e Santa é hoje de novo convidada e, por isso, se reúne (é reunida) num banquete de espanto e de alegria, para saborear o Vinho Bom e Último, cuidadosamente guardado até Agora, mas Agora oferecido pelo Esposo verdadeiro, que é Jesus (João 2,1-11). O segredo deste vinho Bom e Último é conhecido dos que servem, mas o chefe-de-mesa «não sabia DE ONDE (póthen) era».

 2. E, na verdade, aquele saber ou não ‘DE ONDE’ (póthen) era, aqui anotado pelo narrador é a questão fundamental que atravessa o IV Evangelho, e aponta permanentemente para Deus. Provocação para uma sociedade indiferente, com saber, mas sem sabor, sem frio e sem calor, sem calafrios, sem Deus. E, todavia, já Nietzsche o dizia: «Ao homem que te pede lume para acender o cigarro,/ se o deixares falar,/ dez minutos depois pedir-te-á Deus». Entremos nesta auto-estrada repleta de sinalizações para Deus:

 3. Em João 1,48, é Natanael que, atónito, pergunta a Jesus «‘DE ONDE’ (póthen) me conheces?» Em João 2,9, é o narrador que nos informa que o chefe-de-mesa «não sabia ‘DE ONDE’ (póthen) era» a água feita vinho. Em João 3,8, é Nicodemos que não sabe, acerca do Espírito, «‘DE ONDE’ (póthen) vem nem para onde vai». Em João 4,11, é a mulher samaritana que não sabe ‘DE ONDE’ (póthen) tira Jesus a água viva. Em João 7,27, as autoridades de Jerusalém confirmam que, «quando vier o Cristo, ninguém saberá ‘DE ONDE’ (póthen) Ele é». Em João 8,14, Jesus afirma, em polémica com os fariseus: «Eu sei ‘DE ONDE’ (póthen) venho; vós, porém, não sabeis ‘DE ONDE’ (póthen) venho». Em João 9,29, na cena da cura do cego de nascença, os fariseus afirmam acerca de Jesus: «Esse não sabemos ‘DE ONDE’ (póthen) é», ao que, no versículo seguinte (João 9,30), com viva ironia, o cego curado responde, apontando a cegueira deles: «Isso é espantoso: vós não sabeis ‘DE ONDE’ (póthen) Ele é; e, no entanto, Ele abriu-me os olhos!». Na narrativa do IV Evangelho, tudo isto conflui para a questão posta por Pilatos em João 19,9: «‘DE ONDE’ (póthen) és Tu?».

 4. Fica claro, também no nosso texto, que não se trata de um conhecimento de saber, mas de servir, não de poder, mas de amor, de atenção premurosa de mãe e serva. «Não têm vinho!», é uma observação de mãe atenta e de serva feliz, que está ali para amar e servir! «O que há entre mim e ti, mulher?» é muitas vezes vista como uma resposta ríspida de Jesus à sua mãe. É uma daquelas frases que pode assumir duas valências opostas, conforme o tom com que é dita. Tanto pode ser uma resposta ríspida e de ruptura, como pode ser uma resposta de grande deferência e carinho. É óbvio que aqui é uma resposta de grande deferência e terno amor filial. Como se Jesus dissesse: «Mulher, grande mulher, mulher messiânica, que atravessa em filigrana a Escritura Santa, que trouxeste até aqui a Esperança de um povo, porque precisas de mo pedir? Tu bem sabes que Eu o faço, e é já». E a mãe de Jesus (nunca chamada Maria no IV Evangelho) entendeu bem esta resposta. Sinal disso é que diz para os servos: «Fazei tudo o que Ele vos disser!»

 5. Como Jesus dirá mais tarde – e diz hoje para nós – também no contexto de um banquete (a Eucaristia) em que somos nós os convidados: – «Fazei isto em memória de Mim!»

 6. O banquete novo, Bom e Último do Reino de Deus, com o Vinho Bom e Último, até agora guardado na esperança, é agora cuidadosamente servido. Que saber e sabor é o nosso? Sabemos e saboreamos a Alegria do Banquete nupcial? Servimos para servir este Amor, esta Alegria? É que é este o «terceiro Dia!» (João 2,1), que agrafa esta Alegria à Alegria nova da Ressurreição ao «terceiro Dia», «sinal» para a Glória e para a Fé (João 2,11).

 7. E aí estão também os extraordinários acordes musicais de Isaías 62,1-5, que cantam Jerusalém personificada, como esposa amada, Enlevo e Alegria de Deus. Pouco antes, em Isaías 60,1-4, Jerusalém tinha sido cantada como mãe. Aí está o júbilo da cidade esposa e mãe: esposa de Deus e mãe dos filhos de Deus.

 8. E o Apóstolo Paulo (1 Coríntios 12,4-11) continua a trautear esta intensa e imensa melodia, vinda, pelos vistos, já lá muito de trás. Mas é o Espírito, diz ele, que sopra em todos nós e nos enche de Amor e de Alegria. E todos reunidos nesta Igreja Amada, Esposa e Mãe, plenificada com tantos dons de Deus, cantamos. É, na verdade, forçoso (com a força do Espírito) que juntemos as nossas vozes todas. Única maneira de o cântico ser novo! A letra pode ser a que está escrita no Salmo 96(95), ou no pergaminho e pauta musical do nosso coração em festa.

 9. Pegou depois numa criança, num pedaço de pão e numa taça. Levantou os olhos e as mãos onde nitidamente pulsava um coração. E ergueu um brinde ao céu. Baixou depois os olhos e as mãos, ungidos já para a dádiva suprema. E ardentemente desejou o vinho novo do reino a chegar. Requisitou, por isso, para isso, o coração, as mãos, a boca, de quantos o estavam a escutar. E antes de partir e de ficar, definitivamente Deus Connosco, abriu ainda à multidão novos caminhos, diurnos, matutinos: «Já sei que não sabeis pedir o pão; tereis de aprender com os meninos».

 10. «Traz as tuas mãos pequenas e abertas, onde caiba só o coração. Sabes? O coração é uma cidade. Ou se preferes: o coração é a última cidade. Ou ainda: no coração começa a liberdade. Ou se preferes: no coração começa a tempestade».

 11. A multidão levou as mãos à boca, ao coração. Restaram doze cestos de palavras. Oh música divina tão humana!

 António Couto