SEGUIR JESUS


 

1. Neste Domingo XIII do Tempo Comum proclama-se (o Evangelho é sempre proclamado, e não simplesmente lido) o Evangelho de Lucas 9,51-62, página sublime e sobrecarregada de cenários sucessivos e desconcertantes, que não podem deixar sossegado e de braços cruzados nenhum dos discípulos de Jesus.

 2. O primeiro é a anotação radical de que Jesus «tornou o seu rosto duro como pedra na direcção de Jerusalém» (Lucas 9,51). A expressão «tornar o rosto duro como pedra» provém do terceiro canto do Servo do Senhor (Isaías 50,7), e serve para assinalar uma atitude firme e decidida da qual não se pode voltar atrás. Ainda que, no contexto do Evangelho de Lucas, esta anotação marque a viragem geográfica de Jesus da Galileia para Jerusalém, a anotação é sobretudo de ordem teológica, salientando a total confiança de Jesus no Pai, tal como o Servo confia no seu Deus.

 3. O segundo é a ilusão do poder de Tiago e João, os filhos de Zebedeu, que propõem a Jesus dizimar uma povoação samaritana só porque recusa acolher Jesus. Os dois discípulos, que ainda não entenderam o caminho manso e humilde de Jesus, como o do Servo do Senhor, são duramente repreendidos (Lucas 9,55) com o mesmo verbo com que Jesus estigmatiza os espíritos impuros (cf. Lucas 4,35).

 4. O terceiro fixa a nossa atenção em alguém que se propõe seguir Jesus, com estas palavras: «Seguir-Te-ei para onde quer que vás!» (Lucas 9,57), logo seguidas da declaração de Jesus: «As raposas têm as suas tocas e as aves do céu os seus ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça!» (Lucas 9,58). Note-se bem que o texto diz o essencial e omite o circunstancial, deixando-nos sem saber quem era o homem, o que é que o levou a propor-se seguir Jesus, de onde veio, e como terá reagido à declaração de Jesus: seguiu-o no caminho? Foi-se outra vez embora? Com este procedimento escorreito, a intenção do narrador é certamente apresentar a força do seguimento de Jesus enquanto tal, não o fazendo depender desta ou daquela circunstância. Seguir Jesus é um absoluto, sem condições, atitude posta em destaque pelo facto de Jesus não ter eira nem beira, o que torna incontornável a transparência da sua confiança no Pai. Sua e daqueles que o querem seguir.

 5. O quarto é o apelo limpo, igualmente despido de acessórios, de Jesus a alguém: «Segue-me!», a que o visado responde imediatamente: «Permite-me ir primeiro sepultar o meu pai!» (Lucas 9,59). E a resposta, quase escandalosa de Jesus: «Deixa que os mortos sepultem os seus mortos. Tu vai anunciar o Reino de Deus!» (Lucas 9,60). Estas imensas palavras de Jesus ganham ainda maior acutilância se soubermos que a mentalidade e a sabedoria judaicas davam enorme importância ao dar sepultura a um familiar. Era uma acção de tal monta e de tal conta que dispensava da oração do Shema‛, da oração das dezoito bênçãos e de todos os preceitos da Lei (Mishnah Berakhot 3,1a). Mas o caminho novo de Jesus inverte o normal caminhar da experiência humana da vida para a morte. O caminho de Jesus e segundo Jesus é da morte para a vida: «nós sabemos que passamos da morte para a vida porque amamos os irmãos; quem não ama, permanece na morte» (1 Jo 3,14). Quem quiser seguir Jesus tem, portanto, de apostar tudo no novo sentido que Jesus imprime à existência.

 6. O quinto e último é igualmente forte, igualmente desconcertante. Põe diante de nós alguém, também sem a anotação de circunstâncias, que está disposto a seguir Jesus, desde que Jesus lhe conceda apenas despedir-se dos seus familiares. Digamos que pede apenas para dar um pequeno passo atrás, e logo se voltará todo para a frente. Elias fez esta concessão a Eliseu (1 Reis 19,20), Antigo Testamento de hoje. Mas Jesus é mais do que Elias, e não faz qualquer concessão: «Aquele que deita as mãos ao arado e olha para trás não serve para o Reino de Deus!» (Lucas 9,62).

 7. Já se vê que é a cena de Elias e de Eliseu, narrada em 1 Reis 19,19-21, que faz de eco ao Evangelho de hoje. Simbolicamente, Elias atira o seu manto sobre Eliseu, maneira de fazer dele seu seguidor. Eliseu andava a lavrar um grande campo, agarrado ao arado, puxado por doze juntas de bois. Sentindo o chamamento de Elias, Eliseu apenas pede o tempo necessário para ir abraçar o seu pai e a sua mãe. Elias concede. Eliseu despede-se de forma radical, sagrada e festiva. Matou uma junta de bois, e assou a sua carne com a madeira do arado. Queimando o arado, é todo um mundo que deixa para trás, sem retorno. Enceta depois um caminho novo atrás de Elias.

 8. Dia de Domingo, Dia do Senhor, doação radical, total, ao Senhor. Entenda-se: é um caminho novo que se abre à nossa frente. Sem retrocessos, sem desvios, sem distracções, sem nostalgias, sem saídas de segurança!

 António Couto

3 respostas a SEGUIR JESUS

  1. E.Coelho diz:

    «… sem saídas de segurança!»

    ATITUDE RADICAL!
    Às vezes pergunto-me se terá mesmo de ser assim. Deus sabe de que somos feitos, e como somos frágeis, fracos, inseguros, … etc… e, dizer a Deus «SIM» radicalmente, às vezes parece-me ser uma decisão contra-natura. Somos humanos, humanos, e por isso parece-me quase impossível não procurar as «saídas de segurança»

    Isto não é uma desculpa para não fazer o que devo! É uma constatação da impotência, da fraqueza da minha pessoa no meu “ser pessoa”, isto é, incompleta.

    Há tanta gente que faz tantas coisas boas…apesar das suas fraquezas e erros e pecados!
    Eu que sei? NADA!
    Sou uma pessoa de Fé? Sim!
    Capaz de dar a vida? Creio que sim!
    De que forma? NÃO SEI! E admiro quem sabe, pois cada dia é um novo dia cheio, cheínho de desafios.
    Abraço
    E.Coelho

  2. JOSE OLIVEIRA diz:

    OLÁ de novo!
    Estou novamente de visita a esta mesa.
    Desejo não estar como aquele homem,que o seguia no caminho,mas,foi-se outra vez embora…
    Quero e sinto que estou no caminho inverso da morte para a vida,porque diz e muito bem: Quem não ama estará morto.
    Bem haja porque estamos vivos, por Cristo com Cristo e em Cristo.
    Até sempre,Dom António.

  3. Tentei escutar, mas só conseguia ouvir o silêncio profundo da noite. É nesta altura do dia que consigo sentir-me em Paz. Sabe bem ouvir o silêncio.
    Embora esteja escuro, fecho os olhos e, ao contrário do que eu imaginava, tudo se ilumina. Vejo-Te.
    À minha volta tudo pára e, por breves instantes, tudo parece fazer sentido. Mas se abro os olhos… volto a ver escuridão.
    O silêncio permanece.
    Porém, nesses escassos segundos de certeza da Tua presença, peço-Te que não deixes que a minha mão escorregue da Tua.
    É difícil seguir-Te.
    É difícil, porque seguir-Te implica saber amar como amas-Te, sonhar como sonhas-Te, sentir como sentis-Te, rezar como rezas-Te, sorrir como sorris-Te… dar a vida por amor como deste.
    No entanto, também sei que é sumamente importante, mesmo sendo tão difícil, pois, será no seguimento dos teus passos, mesmo nos mais simples, que irei ser eu própria, à Tua semelhança.
    Cativaste-me e, agora, estou persuadida que a vida não tem sentido se não for ao encontro da Tua Palavra, das Tuas mãos, dos Teus pés…

    Até breve.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: