FESTA DO BAPTISMO DE JESUS


 

1. Passado o Advento e as Festas Natalícias, estamos agora no umbral do chamado «Tempo Comum» do Ano Litúrgico que, ao contrário do que se possa pensar, não é um «Tempo secundário», mas fundamental na vida celebrativa da Igreja Una e Santa. Na verdade, ao longo deste «Tempo Comum», Domingo após Domingo, a Igreja Una e Santa, Baptizada e Confirmada, Esposa Amada de Cristo, é chamada a contemplar de perto, episódio após episódio, toda a vida histórica do seu Senhor, desde o Baptismo no Jordão até à Cruz e à Glória da Ressurreição.

 2. Esta apresentação só é possível porque, em cada um dos Anos Litúrgicos, é proclamado, Domingo após Domingo, praticamente em lição contínua, um Evangelho inteiro. Neste Ano A, é-nos dada a graça de ouvir o Evangelho segundo Mateus, conhecido como «o Evangelho da Igreja», dada a grande importância que este Evangelho granjeou na Igreja primitiva, sobretudo devido à clareza e riqueza temáticas dos longos, solenes e pausados Discursos de Jesus que nele encontramos, e que constituem um imenso tesouro para a vida da Igreja. Na verdade, o leitor ou ouvinte encontra no Evangelho segundo Mateus uma longa e bela sinfonia dos ensinamentos fundamentais de Jesus, organizada em cinco andamentos à volta de cinco imensos Discursos de Jesus: 1) o Discurso programático da MONTANHA (Mateus 5-7); 2) o Discurso MISSIONÁRIO (Mateus 10); 3) o Discurso das PARÁBOLAS do REINO (Mateus 13); 4) o Discurso ECLESIAL (Mateus 18); 5) o Discurso ESCATOLÓGICO (Mateus 24-25). Os cinco Discursos são fáceis de identificar, pois, a terminar cada um, encontra-se sempre o mesmo refrão: «E aconteceu, quando Jesus terminou estas palavras…» (7,28; 11,1; 13,53; 19,1; 26,1).

 3. O Primeiro Domingo do «Tempo Comum» coloca então diante de nós o episódio do Baptismo de Jesus no Jordão, conforme o Evangelho segundo Mateus 3,13-17. Aqui ficam algumas notas características deste episódio de Mateus: 1) quando vê Jesus que vem no meio da multidão (Mateus 3,13-14), como verdadeiro Servo do Senhor, solidário com o seu povo e assumindo as suas faltas, João Baptista fica confuso; na verdade, esperava um Juiz acima do povo, para julgar o povo (Mateus 3,7.10.12), e não um Servo solidário com o povo no pecado (por isso, vem, no meio do povo, a este baptismo de penitência); 2) além disso, e contra todas as expectativas de João, Jesus não vem para baptizar, mas para ser baptizado (Mateus 3,11.13-14); 3) O diálogo travado entre João Baptista e Jesus (Mateus 3,14-15) é exclusivo de Mateus (nenhum outro Evangelho o descreve); 4) são de notar as primeiras palavras, em absoluto, ditas por Jesus no Evangelho segundo Mateus: «É conveniente para nós cumprir toda a justiça» (3,15); neste Evangelho, o termo «justiça» indica o plano divino de salvação e a adequação da nossa vontade [= obediência] a esse plano, e faz-se ouvir por sete vezes (3,15; 5,6.10.20; 6,1.33; 21,32) contra uma única vez em Lucas (1,75) e nenhuma em Marcos, e o verbo «cumprir» aponta para a Escritura; 5) a abertura dos céus e a descida do Espírito evoca e cumpre Isaías 63,19; 6) a voz vinda do céu também deve merecer a atenção do ouvinte e/ou do leitor, porque, ao contrário do que acontece nos outros Evangelhos sinópticos, a proclamação não aparece formulada na segunda pessoa (Marcos 1,11: «Tu és o meu Filho, o Amado, em ti  pus o meu enlevo»; Lucas 3,22: «Tu és o meu Filho, o Amado, em ti pus o meu enlevo»), mas na terceira: «Este é o meu Filho, o Amado, em quem pus o meu enlevo» (Mateus 3,17); não é, portanto, uma revelação dirigida a Jesus, mas a nós, salientando desde o princípio a perspectiva eclesial de Mateus.

4. Diante dos olhos atónitos de João, e também dos nossos, fica, portanto, Jesus que, connosco e no meio de nós, como um de nós, desce ao rio Jordão para ser connosco baptizado. Extraordinária a epígrafe que Pedro, na lição do Livro dos Actos dos Apóstolos, põe sobre a vida de Jesus: «Passou fazendo o bem e curando todos» (Actos 10,38). Para nos curar, é preciso passar pelo meio de nós. O Jordão é o rio de Cristo e dos cristãos. Rasga, de alto a baixo, a terra de Israel, mas atravessa também as páginas dos dois Testamentos! Desce do sopé do Hermon e vai desaguar no Mar Morto, fazendo um percurso sinuoso de mais de 300 km (104 km em linha recta), e o seu nome ouve-se por 179 vezes nas páginas do Antigo Testamento e 15 vezes no Novo Testamento. As suas águas curam (2 Reis 5,14: Naaman) e dão acesso à vida nova: é atravessando-o que o Povo entra na Terra Prometida (Josué 3,14-4,24). É ainda belo ver que, depois de um percurso de mais de 300 km, o Jordão entra no Mar Morto, onde, através de uma intensa evaporação, parece subir ao céu, lembrando Elias que sobe ao céu desde o leito do Jordão (2 Reis 2,8-11). É lembrando estes cenários, sobretudo o do Baptismo que também cura e dá acesso à vida nova, que muitas Igrejas Orientais chamam «Jordão» ao canal que conduz a água para a fonte baptismal, que todos os anos é benzida precisamente neste Dia da Festa do Baptismo do Senhor.

5. Ilustra bem o episódio do Baptismo de Jesus no Jordão o chamado «Primeiro Canto do Servo do Senhor» (Is 42,1-7), que põe em cena Deus e o seu Servo. Deus chama este Servo «meu Servo», diz que o segura e sustenta e que lhe dá o seu Espírito, e confia-lhe uma missão em ordem à verdade e à justiça, à mansidão e ao ensino, à libertação e à iluminação, entenda-se, à vida em plenitude, de todas as nações. Verdadeiramente, Deus é a vida deste Servo, que Ele ampara, leva pela mão e modela. Linguagem de criação, confidência e providência.

6. Há ainda a registrar uma expressão forte para dizer a missão de mansidão confiada por Deus a este seu Servo: «Não fará ouvir desde fora a sua voz». Ora, se não faz ouvir a sua voz desde fora, então é porque a faz ouvir desde dentro. O grande pensador do século XX, de origem hebraica, Emmanuel Levinas, glosava, nas suas lições talmúdicas, este texto em sentido messiânico, dizendo que «o Messias é o único Rei que não reina desde fora». Se não reina desde fora, então não reina com poder, dinheiro, impostos, armas ou decretos. Se não reina desde fora, reina desde dentro, aproximando-se das pessoas, descendo ao nível das pessoas, amando as pessoas. Está bom de ver que Jesus vai assumir a identidade deste Servo e vai cumprir por inteiro a sua missão. De resto, Mateus diz-nos expressamente que Jesus vem cumprir a missão do Servo de Isaías 42,1-4, que este Evangelho cita por inteiro (Mateus 12,18-21).

7. Para não esquecer: esta bela missão de Jesus, Baptizado com o Espírito no Jordão e declarado Filho Amado, deve ser a nossa bela missão de Baptizados com o Espírito Santo e filhos amados de Deus.

António Couto

4 respostas a FESTA DO BAPTISMO DE JESUS

  1. agraciada diz:

    Neste duplo início de tempo (ano civil, tempo litúrgico) agradeço ao Pai a presença do Seu Espírito de sabedoria em D. António Couto.
    Pela sua presença constante neste espaço, D. António Couto permite a quem vive no deserto ser saciado pela ÁGUA VIVA.

    A graça de Deus em nós

  2. agraciada diz:

    Deixe-me ainda acrecentar o meu agradecimento pela ligação de Mt 3, 13-17 com Is 63,19. Que bom é quando os céus se rasgam e eu recebo esta presença clarificadora da Palavra.
    Os montes do meu viver vão-se derretendo com esta presença. É um presente! É presente!

  3. CP diz:

    Deambulo pelo meio do mundo, nas suas entranhas, sem notar a presença do Cristo. É tal e qual o rito de passagem da juventude à idade adulta dos índios Cherokees (passou-me isto pela cabeça, desculpe o pralelismo, por ventura inapropriado): Ao anoitecer o filho vai para o monte de olhos vendados, pela mão do pai. Este o senta e o deixa à sua sorte (à fome, ao frio, à mercê de animais selvagens, insectos, cobras e até de outros humanos, que lhe podem fazer mal). Após essa longa noite, diversamente escura, alguém lhe tira a venda. É quando o jovem repara que o seu pai está sentado perto dele. Esteve lá toda a noite, protegendo o seu filho de qualquer perigo.

    Cristo faz-se ouvir dentro de mim, pois está sempre ao meu lado. Fazemos os dois pegadas na areia. Para quê esperar por quem não vem (existirá realmente???)? – Effathá, pega na tua enxerga e anda!!…

    Eukaristos, D. António.

  4. Paula Fernandes diz:

    Está bom de ver que temos de ser simples e viver em amor e por amor.
    Só assim ficaremos aptos para a bela missão dos baptizados em Cristo.

    Ficou-me este pensamento, deste Domingo, da Festa do Baptismo de Jesus:

    Nós podemos esquecê-lO, desatentos, distraídos, iludidos…

    Mas Ele não, não pode nunca esquecer-se de nós, que fomos ungidos com Óleo santo, purificados pela Água viva, assinalados com a Luz celeste, marcados com o Amor puro, filhos e irmãos…

    A missão Dele não acaba nunca!

    É muito belo tudo isto!

    E esta lição de hoje é tão ilustrativa, elucidativa, rica e contagiante que dá imensa vontade de conhecer essa Terra, Santa e Maravilhosa, que Jesus percorreu, ensinando, perdoando, curando, amando…

    Obrigada, muito obrigada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: