SANTA TERESA BENEDITA DA CRUZ (EDITH STEIN)


1. A Igreja celebra hoje, dia 09 de Agosto, a Festa de Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein), Padroeira da Europa.

 2. Edith Stein nasceu em Breslau, na Alemanha, de pais judeus, em 12 de Outubro de 1891, última de onze irmãos. Judia de nascimento, nem por isso aderiu à fé judaica. Dizia-se agnóstica. Acompanhava, no entanto, a mãe à sinagoga, mais por delicadeza do que por convicção.

 3. No Outono de 1921, na Baviera, veio-lhe ter às mãos o «Livro da Vida» de santa Teresa de Ávila. Leu-o todo numa noite, dizendo logo ter encontrado aí a verdade. Recebeu o Baptismo em 01 de Janeiro de 1922. Em 15 de Outubro de 1933, ingressou na ordem das Carmelitas Descalças, para grande desgosto dos seus pais e familiares. Adoptou então o nome, por ela escolhido, de Teresa Benedita da Cruz.

 4. Antes desta viragem na sua vida, Edith Stein foi, juntamente com Martin Heidegger, uma brilhante discípula do grande filósofo da fenomenologia, Edmund Husserl. Edith Stein superava em muito Martin Heidegger, mas foi este que, por motivos ideológicos, veio a suceder na cátedra a Husserl.

 5. Para Heidegger, vivemos cercados pela morte por todos os lados, e, portanto, marcados por essa angústia. Edith Stein condivide com Heidegger a ideia de que a consciência da própria morte marca a radical finitude do ser humano, mas distancia-se de Heidegger ao referir que, exceptuando alguns casos particulares, esta consciência não leva à angústia. E explicita o seu pensamento desta maneira fulgurante: «Perante a inegável realidade de a minha existência ser fugaz, prorrogada, por assim dizer, de momento em momento e sempre exposta à possibilidade do nada, está outra realidade, igualmente irrefutável, que me diz que, não obstante esta fugacidade, eu sou, e que, momento após momento, sou conservado no ser e que, neste ser fugaz, colho algo de duradouro. Sei que sou conservado, e, por isso, estou tranquilo e seguro: não que esta segurança me advenha por virtude própria; antes, é a doce, feliz segurança da criança segura por um braço forte, segurança que, objectivamente considerada, não é menos da ordem da razão. Ou seria “da ordem da razão” a criança que vivesse com um medo permanente de que a sua mãe a deixasse cair?».

 6. Mudou-se em 1938 para da Alemanha para a Holanda, para fugir à perseguição nazi contra os judeus. Mas foi presa em 02 de Agosto de 1942, e levada para o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau, para onde foi com o hábito Carmelita. Recebeu o número de prisioneira 44070. Foi morta a 09 de Agosto de 1942.

 7. Em 01 de Maio de 1987, foi beatificada. Foi canonizada em 11 de Outubro de 1998. Em 01 de Outubro de 1999 foi declarada Padroeira da Europa.

 8. A esta Europa em queda livre, desacreditada, angustiada, sem bebés nos braços, a caminho do abismo, demasiado ocupada e preocupada a contar os últimos cêntimos, Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein) aponta um rumo seguro: um colo maternal e uma criança segura e confiante nos braços da sua mãe.

 António Couto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: