TANTA DEDICAÇÃO


 

1. O selêucida Antíoco IV Epifânio tinha profanado o Templo de Jerusalém em 167 a.C., introduzindo lá cultos pagãos. Contra esta helenização e paganização do judaísmo lutaram os Macabeus, e, em 164 a.C., Judas Macabeu procede à purificação do Templo e à sua Dedicação ao Deus Vivo. Este acontecimento deve ser celebrado todos os anos, durante oito dias, com a Festa da Dedicação, a partir de 25 do mês de Kisleu, que, no ano em curso de 2013, corresponde ao nosso dia 28 de Novembro.

 2. É no ambiente desta Festa anual da Dedicação do Templo que se situa a perícope do Evangelho de João 10,27-30 (veja-se João 10,22), proclamada neste Domingo IV da Páscoa, também Domingo do Bom Pastor e 50.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, sob o tema, proposto ainda por Bento XVI: «As Vocações, sinal da esperança fundada na fé». Nesta mensagem, Bento XVI evoca a radiomensagem de Paulo VI, de 11 de Abril de 1964, que deu início a este Dia Mundial de Oração pelas Vocações, e refere que as Vocações são um indicador seguro da vitalidade da fé e do amor de cada comunidade paroquial e diocesana, bem como o testemunho da saúde moral e espiritual das famílias cristãs, num mundo carente de mãos sacerdotais.

 3. A Festa da Dedicação, em hebraico hanûkkah, celebra-se durante oito dias, e tem como símbolo o candelabro de oito braços. Relata o Talmud que, quando os judeus fiéis entraram no Templo profanado pelos pagãos helenistas, encontraram uma única âmbula de azeite puro (kasher) de oliveira para reacender o candelabro de sete braços, em hebraico menôrah, que é um dos símbolos de Israel, e que deve arder diante do Deus Vivo. Todavia, uma âmbula de azeite duraria apenas um dia, e eram precisos oito dias para preparar novo azeite puro. Pois bem, o azeite daquela única âmbula durou milagrosamente oito dias! Daí que, na Festa da Dedicação, se acenda um candelabro de oito braços, chamado hanûkkiah. Mas acende-se apenas uma luz por dia, depois do pôr-do-sol, aumentando progressivamente até estarem acesas as oito luzes. Além disso, e ao contrário das luzes da menôrah e do Sábado, que alumiam o interior do Santuário e da casa de família respectivamente, as Luzes do candelabro da Dedicação, refere o ritual, devem ser vistas cá fora: devem alumiar o ambiente social, político, comercial e cultural. E também ao contrário das luzes da menôrah e do Sábado, não se acendem todas de uma vez, mas progressivamente uma por dia, porque, quando as condições são adversas (paganismo helenista e escuro), não basta acender uma luz e mantê-la; é preciso aumentar constantemente a luz…

 4. Como este simbolismo é importante para os dias de hoje! Está escuro cá dentro e lá fora, o mundo parece descontruir-se, o paganismo é galopante! Mais do que nunca, é preciso, portanto, não apenas manter a luz, mas aumentá-la progressivante. E está em maravilhosa sintonia com a mensagem de Bento XVI para este 50.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, salientando a importância da fé e da esperança.

 5. O resto é a força e a beleza da imagem do Bom e Belo Pastor, que dá a Vida Eterna às suas ovelhas, que as segura pela mão, que as conhece, enquanto elas escutam a voz do Bom Pastor e o seguem. Maravilhosa Comunhão.

 6. Maravilhosa Comunhão também entre este Bom e Belo Pastor, que é o Filho, e o Pai. Texto denso, imenso e intenso, de grande alcance trinitário: «Eu e o Pai uma Realidade somos». Deixem-me pôr aqui o texto grego: egô kaì ho patêr hén esmen. O verbo está no plural: somos. Junta «Eu» e «o Pai», duas Pessoas. O predicativo, porém, não está na forma masculina, mas na forma neutra: uma Realidade (hén). Donde: o Filho e o Pai não são uma só Pessoa, mas são uma única Realidade (não coisa!, como se vê em algumas pobres traduções), uma única Substância (ousía), como diziam bem os Padres gregos. Um único e mesmo Amor que corre entre o Pai e o Filho, entre o filho e o Pai, circularmente, sem parar. Este Dom de Amor circular permanente e imperecível, constitui o Espírito Santo, distinto do Pai e do Filho, dos quais procede, mas distinto também do acto da doação, de que é o efeito e a significação. Se fosse o acto da doação não constituiria uma pessoa subsistente, pois não existiria como tal: seria a soma de duas pessoas, não uma terceira. seriaÓ música insondável do Amor de Deus, ó admirável comunhão de três Pessoas iguais, mas distintas, ó Vida Plena e Verdadeira a nós acessível por graça! Basta, para tanto, conhecer, escutar e seguir o Bom Pastor.

 7. O Livro dos Actos dos Apóstolos (Act 13,14-32) continua a mostrar como o Evangelho vai ao encontro de toda a humanidade. Extraordinária abertura ao extrangeiro dos Evangelizadores Novo Testamento, que trilham os caminhos de Deus, já apontados no Antigo Testamento. Diz Deus: «Bendito seja o Egipto, meu povo, a Assíria, obra das minhas mãos, e Israel, minha herança» (Isaías 19,25).

 8. Este universalismo continua a ler-se no Apocalipse (7,9-17) com aquela imensa Assembleia de louvor ao nosso Deus e ao Cordeiro. Os membros desta Assembleia provêm de todas as nações, raças, culturas, línguas, racionalidades.

 9. Mas no paladar fica ainda e sempre o sabor do Salmo 23: «O Senhor é o meu Pastor: nada me falta…».

António Couto

2 respostas a TANTA DEDICAÇÃO

  1. António diz:

    Olá, D. António Couto,

    JESUS é o bom Pastor, que dá a vida e faz viver.ELE confiou
    a tarefa de apascentar o seu rebanho, ao Papa, Bispos, Padres, que
    se chamam pastores da igreja.
    D. António olha bem pelas ovelhas,com tanta dedicação até as
    leva á consolação.

    Se me permite quero lhe dizer que o nossa paróquia ofereceu
    uma ovelha,durante a Eucaristia de hoje ao nosso pastor.
    Ele transborda os nossos corações com alegria,penso que foi
    um agradecimento maravilhoso.
    Um abraço.

  2. Caro D. António Couto,

    Num tempo em que o mundo se encontra, cada vez mais, sob o domínio de números – como é maravilhoso este esclarecimento que nos dá, acerca da Festa da Dedicação. Que bela lição se pode extrair dela! O Povo, na sua sabedoria, exprime-a, num adágio, desta forma: “O pouco com Deus é muito, e o muito sem Deus é nada”.

    Oremos para que a Luz aumente, progressivamente, sem preocupações quantitativas. Os apóstolos escolhidos e enviados por Jesus – para espalharem a Boa Nova – foram poucos, e, contudo, o Evangelho chegou aos ‘quatro cantos do mundo’.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: